Filósofo da gastronomia, Luciano Pascoal ensina a fazer um carneiro suculento

0

O jornalista e professor Luciano Pascoal talvez não saiba, mas é também um filósofo. Não por formação, mas por prática. E suas filosofias estão sempre às voltas com a gastronomia. Dão água na boca. E nos convidam a reflexões profundas. Não porque nos fazem ler e reler teorias filosóficas. Mas, sobretudo, porque nos convidam ao sincretismo: mistura de ingredientes, de ideias, de generosidades.

E ele gentilmente compartilhou conosco a receita desse prato que você suculentamente vê em imagem, registrada por ele próprio. Porque ele não tem apenas o dom de cozinhar. Mas, também, de fazer a gente ficar com água na boca!

Carneiro feito por Luciano Pascoal. A foto é dele mesmo

Carneiro suculento, por Luciano Pascoal:
Um carneiro suculento precisa dormir no tempero e assar com brandura e suavidade. Essa paleta de 900 gramas recebeu um copo generoso de vinho branco seco, seis dentes grandes de alho espremidos, uma cebola média picada, pimenta do reino, sal e alecrim. (coloquei o alecrim desidratado porque não encontrei o fresco. Mas, tudo que é fresco é melhor).

O ideal é colocar num celofane e deixar marinando a noite toda para o gosto ficar impregnado. Três horas de forno médio (no celofane ou coberto com papel alumínio). Depois, mais meia hora para dourar. No final do cozimento, coloquei a pimenta rosa.

Para acompanhar, uma salada verde e batatas pequenas assadas com azeite e sal. E, claro, uma boa cerveja de trigo, pois fazia calor. O carneiro se harmoniza perfeitamente com um cabernet sauvignon ou um pinot noir. Comida leve e prazerosa.”

Deixe uma resposta